segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Garota levada



Maysa adorava criar lendas em torno de si própria. Uma delas era a de que teria estudado oito anos, em regime de internato, no Sacre Couer de Marie, tradicional colégio paulistano. Não era verdade. Maysa fez apenas parte do primário na escola das freiras francesas. Na imagem acima, o boletim de 1950, do Colégio Ofélia Fonseca, onde começou a fazer o ginásio. Na fase de pesquisa da biografia, foram entrevistadas colegas de turma e ex-professoras de Maysa. O livro trará um capítulo inteiro sobre as estripulias da mocinha, que fazia parte do time das "garotas levadas" da escola.