quinta-feira, 31 de maio de 2007

Maysa, na Marie Claire



Em janeiro fez 30 anos que Maysa morreu num acidente de carro. O livro de Lira Neto serve como uma delicada homenagem.

(Revista Marie Claire, junho de 2007)

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Lançamento em São Paulo



Aguardem, em breve, aqui, as fotos da noite de autógrafos em São Paulo. Muita gente bacana, muitos amigos, muitos amigos de Maysa.

Maysa, nos mais vendidos do JB


A biografia Maysa: Só numa multidão de amores está em sétimo lugar na lista dos mais vendidos do Jornal do Brasil, na categoria não-ficção. E pela quarta semana, o livro aparece na lista dos mais vendidos da Livraria Cultura (clique aqui).

domingo, 27 de maio de 2007

Maysa, no jornal Opção (GO)


EULER DE FRANÇA BELÉM

Depois de Francisco de Assis Barbosa, o grande biógrafo de Lima Barreto, surgiram dois biógrafos não-acadêmicos muito bons, Fernando Morais, autor de Olga (Olga Benario) e Chatô (Assis Chateaubriand), e Ruy Castro, autor de O Anjo Pornográfico (Nelson Rodrigues) e Carmen (Carmen Miranda). Agora, surge outro biógrafo notável, Lira Neto, que estudou a vida do militar Castello Branco, do escritor José de Alencar e da cantora Maysa.

Maysa — Só Numa Multidão de Amores (Editora Globo, 393 páginas) é um estudo rigoroso da vida da cantora e, também, de sua época. Sobretudo, é um texto escrito com extrema leveza e prazer a respeito de um ser humano luminoso e, ao mesmo tempo, sombrio. O título sintetiza com mestria a vida afetiva de Maysa. Um dos méritos do livro é que Lira Neto, ao apresentar os problemas de Maysa (junção de Maria com Luysa), como o alcoolismo, além dos vários namorados, não o faz para diminuí-la, ou, mesmo, firmá-la como revolucionária, embora diga, com justiça, que era uma “mulher incomum”.

Como é vista como “deusa da fossa”, poucos se dão conta que Maysa foi uma das primeiras cantoras a gravar os compositores da Bossa Nova (ou Fossa Nova). O livro faz o registro detalhado da modernidade de Maysa, de como a cantora era sintonizada com as mudanças musicais, sem perder contato com tradição, fazendo o novo dialogar com o velho, e, ao mesmo tempo, em termos de comportamento, estava sempre um passo adiante de seu tempo.

Jornal Opção, Goiânia, 27 de maio de 2007

sábado, 26 de maio de 2007

Lançamento no Rio de Janeiro


O jornalista Lira Neto lança o elogiado Maysa – Só numa Multidão de Amores (Editora Globo, 400 páginas, R$ 32,00), livro que devassa a vida atribulada e a carreira brilhante da cantora Maysa Figueira Monjardim Matarazzo (1936-1977). Lira Neto reconstitui os 40 anos de Maysa com base em cerca de 200 entrevistas, arquivos familiares e nos diários pessoais da cantora. Livraria da Travessa Leblon (600 lugares). Avenida Afrânio de Melo Franco, 290, 2º piso (Shopping Leblon), 3138-9600. Terça (29), 20h. Estac. (R$ 4,00 por duas horas).

Importante é saber o limite da privacidade



Biógrafos tarimbados condenaram a atitude de Roberto Carlos e também a da editora Planeta em não levar o caso adiante. “Se possível, a questão deveria chegar até o Tribunal de Haia”, ironiza Fernando Morais, oito biografias no currículo e prestes a terminar mais uma, já intitulada O Mago, sobre o escritor Paulo Coelho e que deverá ser lançada no segundo semestre. “Acho ruim fazer acordo logo no início de um processo, pois, à medida que o caso vai subindo de instância, mais independente espera-se que seja o encarregado de julgar.”

(...)

A necessidade de se conseguir autorização do biografado ou seu representante também não agrada aos escritores. “Sou contra biografias autorizadas, porque elas exigem que o autor submeta o original ao biografado ou à família deste para que seus advogados dêem palpites”, comenta Ruy Castro. “No meu caso, que só trabalho com biografados já falecidos, procuro manter uma relação de confiança e colaboração com as famílias, mas sem nenhum compromisso. O que sairá no livro será de responsabilidade minha. Eventualmente pode dar zebra, como no caso do Garrincha, ainda mais se a família do biografado se deixa enredar por advogados mal-intencionados.”

Lira Neto tem uma posição semelhante. “As histórias que sejam relevantes para a compreensão da trajetória e da personalidade do biografado têm de, necessariamente, entrar numa boa biografia”, observa ele, autor de Maysa - Só Numa Multidão de Amores (Globo), que será lançada na segunda-feira, às 19 horas, na Livraria da Vila da Alameda Lorena. “Cabe ao biógrafo saber distinguir isso da bisbilhotice gratuita e, em especial, do boato ou da calúnia.”

Em caso de informações com diversas versões, o ideal é publicar todas, ensina Morais que, na biografia de Paulo Coelho, vai contar cenas de drogas, sexo, bruxaria. “Estou há um ano no processo de escrita, pois se trata de uma vida complicada, mas acertei com Paulo de ele não ler os originais e confiar em mim.”

(O Estado de S. Paulo, 26 de maio de 2007)

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Moda Maysa



Era apenas uma camisetinha básica, com a estampa da capa do livro Maysa: Só numa multidão de amores. Mandei fazer meia dúzia delas, para eu próprio bancar o outdoor ambulante por aí. Mas era aniversário da jornalista Cláudia Albuquerque, minha amiga de longas datas e dona de um dos melhores textos que já li na vida. Em um encontro para matar a saudade, entornamos alguns hectolitros de cerveja na boa e velha Mercearia São Pedro, na paulistana Vila Madalena. Claudinha saiu de lá direto para o aeroporto. Na bagagem, levava uma das tais camisetas de presente. Hoje, do Ceará, me mandou a foto acima. Customizou Maysa. E agora desfila por lá, sob o sol de Fortaleza, levando a moça no peito.

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Segunda reimpressão da biografia chega às livrarias



A Editora Globo acaba de colocar nas livrarias mais uma reimpressão da biografia Maysa: Só numa multidão de amores. A primeira tiragem, de 5 mil exemplares, esgotou em menos de uma semana após a chegada às lojas. Há cerca de três semanas, foi providenciada uma primeira reimpressão, que também já foi completamente distribuída. Agora, a segunda reimpressão - ou seja, a terceira tiragem do livro - desembarca no mercado.

Maysa, na revista da MTV



"Biografia da rainha brasileira da dor-de-cotovelo e da boemia. O livro é rico em detalhes e foi feito com pesquisas em arquivos familiares, entrevistas com amigos, ex-namorados, ex-maridos, músicos e acesso ao diário da cantora."

Revista da MTV (maio de 2007)

Maysa, na revista Minha Novela



"Maysa - Só numa multidão de Amores, de Lira Neto, refaz a trajetória da intérprete de músicas como "Meu mundo caiu" e "Ouça". As tentativas de suicídio, a fama, a união com André Matarazzo... Está tudo lá para quem quer saber detalhes da mãe do diretor Jayme Monjardim."

Carta à redação da revista Quem




terça-feira, 22 de maio de 2007

Você viu Maysa por aí?


Notícias chegadas a este blog informam que Maysa tem sido vista circulando por aí, na internet. Na foto acima, diretamente de Recife, a blogueira Cyntia Maria encarna a cantora em seu diário virtual intitulado A tardinha cai... Na imagem da esquerda, flagrante de uma festa a fantasia realizada semana passada em Sampa. Nesse caso, a foto foi tirada por um amigo jornalista, mas o modelo prefere permanecer incógnito. "Sou low profile, discreto, odeio exposição", diz o rapaz.


segunda-feira, 21 de maio de 2007

Lançamento em São Paulo


Lançamento no Rio de Janeiro


Maysa, por Mauro Ferreira

Lira Neto capta e retrata a gangorra emocional da biografada. E ter o aval dos herdeiros de Maysa, com acesso irrestrito aos diários da artista, não deixou o livro com caráter chapa-branca. Ao contrário. Maysa é retratada com intensidade isenta nas páginas da biografia. Sem julgamentos. Sem tentativas de maquiar o temperamento tão sensível quanto sombrio da artista. Se sofreu, e muito, Maysa também fez sofrer.

O acesso aos escritos mais íntimos da biografada dá conseqüente atestado de veracidade aos fatos revividos. Neto escreve sob os estados d'alma de Maysa com a autoridade de quem não precisou recorrer somente a terceiros. É a própria Maysa que, volta e meia, toma conta da envolvente narrativa na primeira pessoa através da reprodução de trechos de seus diários e de uma autobiografia que nunca saiu do papel.

(Do blog Notas Musicais, do crítico Mauro Ferreira)

Quem lê Maysa


"Para vestir o intelecto, o estilista Ronaldo Fraga carrega atualmente o livro Maysa, de Lira Neto, biografia da cantora e compositora Maysa Figueira Monjardim Matarazzo."

(Jornal O Pioneiro, Caxias do Sul, 14/05/07)

domingo, 20 de maio de 2007

Maysa, em O Tempo (MG)



Fãs são brindados com biografia de Maysa

DOUGLAS RESENDE

Trinta anos depois de sua morte, a "rainha da fossa" tem sua história contada pelo escritor Lira Neto, que revela os altos e baixos da carreira e da vida da cantora em Maysa: Só numa Multidão de Amores. A biografia foi feita com o aval do filho único de Maysa, o diretor global Jayme Monjardim, que percebe a vida da mãe como um patrimônio cultural e, portanto, público.
Ao contrário do que pensa o juiz Thércio Pires, que censurou o livro Roberto Carlos em Detalhes, fruto de 15 anos de pesquisa do escritor Paulo César Araújo.


Como deve ser com toda biografia, Lira Neto realizou, durante mais de um ano, uma exaustiva pesquisa acerca da trajetória de Maysa, servindo-se de fontes variadas: cerca de 100 mil recortes de jornais e revistas, em várias línguas, entrevistas com amigos e parentes e o mais importante: as notas pessoais que a estrela cultivou durante toda a vida em seus diários.


Jornal O Tempo (MG), 19 de maio de 2007

sábado, 19 de maio de 2007

Maysa, na Folha



Biografia conta a vida de Maysa
em detalhes e sem censura

LUIZ FERNANDO VIANNA

Se Paulo Cesar Araújo fez uma biografia não-autorizada de Roberto Carlos com estilo de fã - e ainda assim foi censurado -, Lira Neto teve acesso aos diários de Maysa e fez uma biografia que não se acanha em detalhar os podres e porres da cantora -e ainda assim não sofreu nenhuma restrição. Amigos dela e pessoas mais sensíveis podem até ficar incomodados com os relatos do livro, mas o trabalho de Neto, amparado em cerca de 200 entrevistas e inúmeras fontes de pesquisa, não só é brilhante do ponto de vista jornalístico, como é fiel à personagem. Maysa se expunha completamente em canções e entrevistas, botava o coração e a cama na rua. Como fazer uma biografia recatada de alguém assim, que viveu apenas 40 anos, entre 1936 e 1977, mas que fez tudo intensa e exageradamente? Roberto Carlos quer o recato porque não se orgulha de quando andava a 300 km/h.

(...)

Avaliação: Ótimo.
Folha de S. Paulo, 19 de maio de 2007
Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

Maysa, no Estado de Minas


Biografia de Maysa revela a história de uma artista à frente de seu tempo

Trabalho de Lira Neto, ao respeitar a verdade de uma vida ousada, é homenagem ao espírito livre da cantora

ÂNGELA FARIA

A família de Maysa dá uma lição ao "rei". Enquanto o ídolo da Jovem Guarda impede a venda da biografia não-autorizada Roberto Carlos em detalhes, mandando o livro de Paulo César de Araújo para a fogueira – com o aval da Justiça e a condescendência da Editora Planeta –, os Monjardim honram a memória da polêmica cantora e compositora, dona dos olhos mais bonitos da MPB. Escrito pelo jornalista Lira Neto, Maysa – Só numa multidão de amores (Editora Globo) não esconde nada. Estão lá o sucesso, a mulher à frente de seu tempo (quando ninguém falava em feminismo), porres, pontapés do marido espanhol, vexames, tentativas de suicídio, infidelidades e a sucessão de casos amorosos.

Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Maysa, na "Quem"








A revista Quem (Editora Globo) desta semana chega às bancas com uma matéria de cinco páginas, assinada pelo jornalista Valmir Motarelli, com muitas fotos, sobre a biografia Maysa: Só numa multidões de amores. Confira um trecho:

A revista Escândalo de agosto de 1958 dizia: "Maysa está seguindo um caminho que fatalmente a conduzirá à ruína e à degradação moral: a bebida". A cantora tinha virado um prato cheio para a imprensa. "Ela teve a vida devassada como nenhum outro artista. Foi notícia por um ano inteiro, de 1o de janeiro a 31 de dezembro de 1958. Todo dia, saía algo sobre ela nos jornais", conta Lira Neto. Questionada sobre como teria começado a perseguição da mídia, ela disse: "Acho que foi no primeiro pileque. Não convidei todos eles para tomar pileque junto comigo."

A íntegra da matéria, no site da publicação, é aberto apenas para internautas cadastrados no portal Globo.com. Se você é um deles, clique aqui.

segunda-feira, 14 de maio de 2007

Maysa, no Diário de Pernambuco



Um furacão chamado Maysa

Biografia da cantora que fez a festa da imprensa marrom entre os anos 50 e 60 lança luz tanto sobre sua vida conturbada quanto sobre a construção de um mito

CAROLINA LEÃO

Com uma pesquisa minuciosa na imprensa da época, Lira Neto trouxe não somente a personalidade de Maysa, como a possibilidade de o leitor verificar o processo de construção de um mito, seja pelo seu próprio carisma seja pelo interesse da mídia em fabricar semi-deuses populares. No caso de Maysa, a rainha da fossa, as duas opções se aplicam.

(Diário de Pernambuco, 4 de maio de 2007)

domingo, 13 de maio de 2007

Maysa, no Jornal de Brasília


O canto da cigarra

Trinta anos depois de sua morte, Maysa ainda é referência e ganha biografia especial

CHICO NETO

Uma respeitável biografia.

Para ler a matéria inteira, clique aqui.

quinta-feira, 10 de maio de 2007

Maysa, no Valor Econômico



Lira Neto conta a vida da excêntrica, talentosa e sedutora Maysa

LUIZA MENDES FURIA

Só Numa Multidão de Amores, escrito com tanta riqueza de detalhes, incluindo aqueles sobre a MPB na época, bem poderia ser a base de um roteiro de cinema. Quem se habilita?

(Valor Econômico, 4 de maio de 2007)

quarta-feira, 9 de maio de 2007

Maysa, na CBN-Recife


A biografia Maysa: Só numa multidão de amores foi tema de comentário da jornalista Sandra Bittencourt, no programa Revista Eletrônica, da rádio CBN-Recife. Confira o arquivo de áudio clicando aqui.

Maysa, na coluna "Gente Boa"


Tudo em paz

JOAQUIM FERREIRA DOS SANTOS

Não há risco de a biografia do jornalista Lira Neto sobre Maysa, Só numa multidão de amores, virar novo caso judicial ao estilo Roberto Carlos. Jayme Monjardim, filho da cantora, de início impressionado com as revelações da biografia, enviou ao autor um e-mail se dizendo feliz com a repercussão do livro. Os dois assinaram um contrato que passa para Monjardim todos os direitos de adaptação para cinema e televisão.

O Globo, 9 de maio de 2007

Maysa, na Flash




30 anos sem Maysa

Chega às livrarias a biografia da cantora, famosa pelo gênio forte e o repertório de canções sobre romances mal resolvidos

AMILTON PINHEIRO

Maysa: Só numa multidão de amores, a biografia da cantora escrita pelo jornalista e escritor Lira Neto e lançada recentemente pela editora Globo, define com precisão a personalidade da cantora que viveu sob o signo da ruptura e, como poucas de sua geração, conseguiu comungar vida e arte.

Revista Flash, 9 de maio de 2007

terça-feira, 8 de maio de 2007

Maysa, no Jornal do Commercio




O escritor Lira Neto lança Maysa – só numa multidão de amores, até agora a biografia mais completa de uma mulher que saiu de um casamento milionário para quebrar dogmas de uma geração

JOSÉ TELES

Maysa - só numa multidão de amores, do jornalista cearense Lira Neto, conta, com um texto elegante, sem apelar para o sensacionalismo, a vida da cantora mais badalada do País entre meados dos anos 50 e 60.

Jornal do Commercio, 6 de maio de 2007

segunda-feira, 7 de maio de 2007

Maysa, na "Playboy"



"Com acesso ao inédito diário pessoal da artista, o jornalista Lira Neto traça uma sincera biografia de uma das mais complexas personalidades da música brasileira"

Playboy, edição de março de 2007

quinta-feira, 3 de maio de 2007

Maysa, a exagerada


PAULO ROBERTO PIRES

O mundo de Maysa cai, e feio, várias vezes ao longo das 394 páginas de Maysa - Só numa multidão de amores. Lira Neto, seu dedicado biógrafo, não a ajuda a levantar: entre a admiração que é motor de qualquer biógrafo e a necessidade de ser fiel a seu personagem sem enaltecê-lo, ele opta pela segunda. É um livro que se lê tão avidamente quanto ela viveu seus 41 anos, com todas as idas e vindas, sucessos retumbantes e fracassos históricos.

Lira Neto pesquisou nos diários que a cantora manteve desde a adolescência e leu até um esboço de autobiografia jamais concluído ou publicado. Não trocou, como já se viu acontecer, o acesso privilegiado aos escritos íntimos por uma imagem edulcorada e parcial em pagamento à família. Maysa é genial, injusta, sensível, agressiva, abandonada, briguenta - às vezes tudo isso ao mesmo tempo.

Para ler a resenha na íntegra, clique aqui.