sábado, 26 de maio de 2007

Importante é saber o limite da privacidade



Biógrafos tarimbados condenaram a atitude de Roberto Carlos e também a da editora Planeta em não levar o caso adiante. “Se possível, a questão deveria chegar até o Tribunal de Haia”, ironiza Fernando Morais, oito biografias no currículo e prestes a terminar mais uma, já intitulada O Mago, sobre o escritor Paulo Coelho e que deverá ser lançada no segundo semestre. “Acho ruim fazer acordo logo no início de um processo, pois, à medida que o caso vai subindo de instância, mais independente espera-se que seja o encarregado de julgar.”

(...)

A necessidade de se conseguir autorização do biografado ou seu representante também não agrada aos escritores. “Sou contra biografias autorizadas, porque elas exigem que o autor submeta o original ao biografado ou à família deste para que seus advogados dêem palpites”, comenta Ruy Castro. “No meu caso, que só trabalho com biografados já falecidos, procuro manter uma relação de confiança e colaboração com as famílias, mas sem nenhum compromisso. O que sairá no livro será de responsabilidade minha. Eventualmente pode dar zebra, como no caso do Garrincha, ainda mais se a família do biografado se deixa enredar por advogados mal-intencionados.”

Lira Neto tem uma posição semelhante. “As histórias que sejam relevantes para a compreensão da trajetória e da personalidade do biografado têm de, necessariamente, entrar numa boa biografia”, observa ele, autor de Maysa - Só Numa Multidão de Amores (Globo), que será lançada na segunda-feira, às 19 horas, na Livraria da Vila da Alameda Lorena. “Cabe ao biógrafo saber distinguir isso da bisbilhotice gratuita e, em especial, do boato ou da calúnia.”

Em caso de informações com diversas versões, o ideal é publicar todas, ensina Morais que, na biografia de Paulo Coelho, vai contar cenas de drogas, sexo, bruxaria. “Estou há um ano no processo de escrita, pois se trata de uma vida complicada, mas acertei com Paulo de ele não ler os originais e confiar em mim.”

(O Estado de S. Paulo, 26 de maio de 2007)