sábado, 19 de dezembro de 2009

Ouça entrevista à Rádio Cultura


O programa Galeria, apresentado diariamente pela Rádio Cultura Brasil, de São Paulo, entrevistou-me na quarta-feira, 16 de dezembro, sobre Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão.

A íntegra da conversa está disponível no site da emissora. Para ouvir, clique aqui.

Leia a íntegra do chat no Terra


Na quarta-feira passada, 16 de dezembro, participei de um bate-papo virtual com os internautas do portal Terra. O assunto foi a biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão.

Para ler a íntegra da conversa, clique aqui.

O Globo: "Em ritmo de thriller"


"A biografia [Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão] surpreende também por mostrar, em ritmo de thriller, o mistério que envolve os milagres de Juazeiro atribuídos a Cícero e à beata Maria de Araújo, que transformava em sangue a hóstia recebida em comunhão das mãos do padre."

(O Globo, edição de 19 de dezembro de 2009. Leia aqui)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Site da editora traz trechos e fotos



No site da Companhia das Letras é possível ler um trecho e ver várias fotos da biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão.

Para acessar, clique aqui.

Padre Cícero na Playboy


"Apoiado em extensa pesquisa, Lira Neto conta a história do padre Cícero Romão Batista (1844-1934), um dos mais influentes personagens da história do país".
Cotação: Muito Bom
(Playboy, edição de dezembro)

domingo, 13 de dezembro de 2009

Terceira semana no ranking da Veja



A biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão aparece pela terceira semana consecutiva na lista estendida dos livros mais vendidos no país, segundo a Veja.

JB: "Texto fluente e bem cuidado"



Leia trecho da matéria publicada no caderno "Idéias e Livros" do Jornal do Brasil:

"A biografia Padre Cícero: poder, fé e guerra no sertão, escrita pelo jornalista Lira Neto – uma estudada narrativa em mais de 500 páginas – só se tornou possível graças a dois anos de pesquisa, incluindo a consulta a mais de 900 cartas e telegramas, arquivos da Cúria do Crato e documentos secretos do Vaticano e do Santo Ofício. Lira Neto – também biógrafo da cantora Maysa, do escritor José de Alencar e do general-presidente Castello Branco – soube utilizar o material inédito para sintetizar, em texto fluente e bem cuidado, as múltiplas dimensões do beato sertanejo: padre rebelde e devoto caboclo, político astuto e líder gentil, persuasivo e influenciável; missionário, romeiro e santo."

"O livro vem a público em meio ao processo de reabilitação do personagem pela Igreja Católica, e não é indiferente a isso. Dividido em duas partes – 'A cruz' e 'A espada' – contextualiza no prólogo e epílogo a história recente do religioso, tido por dom Fernando Panico, atual bispo do Crato, como 'um antivírus contra o avanço das seitas evangélicas'. Para o papa Bento XVI, que ordenou a revisão do processo do Santo Ofício (atual Congregação para a Doutrina da Fé, comandada até 2005 pelo então cardeal Joseph Ratzinger) contra padre Cícero, o estímulo às romarias é parte importante da estratégia da Igreja no Brasil."

"Situado em posição privilegiada para colaborar com a possível canonização de Cícero, Lira Neto preferiu fazer bom jornalismo."

Para acessar a matéria na íntegra, clique aqui.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Daniel Piza comenta biografia



Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão é o "livro da semana" no comentário do jornalista Daniel Piza. Ouça podcast aqui.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Livro ajuda ou atrapalha reabilitação?

Leia a opinião de dom Fernando Panico, bispo do Crato, a respeito da repercussão da biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão para o processo de reabilitação canônica de Cícero Romão Batista:


Ajudará? Atrapalhará?

DOM FERNANDO PANICO
Bispo do Crato

Mais um novo livro sobre Padre Cícero estava sendo escrito. Que surpresas ele nos reservaria?

O advento de algo novo sobre Padre Cícero, pela experiência já vivida por este povo do Nordeste do Brasil, a quem me compete cuidar como Pastor, confesso, me deixava apreensivo.

Ainda mais quando foi o próprio Departamento Histórico da Diocese que disponibilizou todos os documentos ao escritor. Ainda mais quando sabemos que estes mesmos documentos já foram causa de muita polêmica, de muita leitura e escritura manipulada, de muito jogo de poder, de muita disputa pelo monopólio da verdade... como se a verdade pudesse ser monopolizada por alguém ou por um grupo.

O nosso desejo era, a nossa ansiedade era para que, em mais uma nova obra, pudéssemos descortinar mais um pedacinho da verdade... desvelar, mais um pouco, o que estava escondido... iluminar mais ainda esta nossa realidade de uma riqueza sem fim, mas muito complexa, intrincada, cujo emaranhado poderia levar para caminhos assustadores; uma realidade arrebatadora, mas delicada pois, em última análise estamos tecendo a fina renda do que foi a história de fé de um povo que lutou, e luta ainda hoje para, com a liberdade de filhos de Deus, visitar a Mãe das Dores e o Padrinho Cícero, no lugar sagrado: Juazeiro do Norte. No lugar que Jesus mesmo disse a Maria de Araújo, que queria que fosse um lugar de salvação para as almas. E é.

Que história este escritor escreveria? Como ele utilizaria os documentos? Um jornalista agnóstico.... que compromisso ele poderia ter com um assunto eminentemente religioso? Com um padre? Com os romeiros?

Essas perguntas afligiam meu coração de Bispo. Também porque este livro, publicado por uma grande editora, poderia ter repercussão na Santa Sé onde se processa o pedido de reabilitação do Padre Cícero? Ajudaria? Atrapalharia?

As entrevistas dadas pelo jornalista antes do lançamento do livro não eram muito animadoras para meu coração. Dizia ele que sua intenção era escrever um retrato de um homem, nem santo, nem impostor... tanto que, originalmente, o livro deveria se chamar apenas “Cícero”. Que outros muitos conflitos, dentro e fora da Igreja, este livro causaria?

Já comecei a ler o livro e com muito interesse. A leitura é mesmo envolvente: a linguagem agradável, clara e me parece que faz bom uso da documentação. O meu tempo é que não é amigo e não me deixa ficar em companhia do livro o quanto eu gostaria.

Efetivamente estou tranquilo, pelo que li até agora, que o compromisso e a responsabilidade do autor são confiáveis. Mais do que isso, como jornalista sério, me parece que procura mostrar os dois lados da moeda. Não esconde o que (mesmo com o perigo de sermos anacrônicos) aos nossos olhos hoje poderia ser avaliado como um comportamento desabonador e, na mesma pessoa, mesmo que seja ou Padre Cícero ou Dom Joaquim, o lado bom do personagem.

Como eu dizia, numa história complexa com é a nossa em Juazeiro, é muito importante a preocupação de não fazer uma leitura unidimensional dos fatos, mas tridimensional ou até mesmo, holográfica. Isso se pode perceber.

Alguém me dizia: “quando eu lia o livro, parece que ouvi, em alguns momentos, o grito enraivecido de Dom Joaquim.” O fato de o autor ser agnóstico não o impede de relatar os fatos religiosos com acuidade e verdade. Não percebi, até agora, interpretações tendenciosas ou ideológicas. É mesmo um contador de história. Um bom contador de uma boa história.

* Texto originalmente lido por dom Fernando Panico durante o lançamento da biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão em Juazeiro do Norte, em 2 de dezembro, no auditório do Centro Cultural Banco do Nordeste.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Biografia sobe três posições



A biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão subiu três posições na lista estendida dos livros mais vendidos no país, na categoria não-ficção, segundo a Veja. Na semana passada, estava em 15º lugar. Agora, aparece em 12º.

Diário Catarinense: "Perfil fascinante"

"Se a história transformou o Padre Cícero em mito, o jornalista Lira Neto tratou de trazê-lo de volta ao mundo dos homens com a recém-lançada biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão"

"Ao final de uma década de pesquisas esparsas e dedicação total ao tema nos últimos dois anos e meio, o autor – que se consolida como um dos principais biógrafos do país – oferece um perfil fascinante do contraditório Cícero."

Leia matéria completa clicando aqui.

O Povo: "Entre crenças e polêmicas"



"Para decifrar as ambivalências e contradições da personalidade de Cícero Romão Batista, Lira Neto recorreu a uma série de documentos inéditos."

Leia a matéria completa publicada pelo jornal O Povo, de Fortaleza (CE), clicando aqui.

DN: "Padre Cícero reabilitado"



"O jornalista cearense Lira Neto mergulha no universo de um dos personagens mais complexos do Nordeste: Padre Cícero Romão Batista".

Leia matéria completa publicada na edição de 8 de dezembro de 2009 no jornal Diário do Nordeste, de Fortaleza (CE). Clique aqui.



terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Livro ganha primeira reimpressão



A biografia Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão já ganha a primeira reimpressão. A tiragem inicial, de 20 mil exemplares, precisou ser reforçada com mais outros 10 mil, que chegarão nos próximos dias ao mercado para repor estoques nas livrarias de todo o país. Na noite de lançamento em Recife, a Megastore Saraiva vendeu todos os exemplares disponíveis na loja.

"Minuciosa pesquisa"



"Lira Neto fez uma minuciosa pesquisa a respeito de padre Cícero. Vasculhou acervos, jornais, cartas e ampla bibliografia sobre o religioso que foi acusado de mistificador, aproveitador das crenças do povo, de ser dono de ideias religiosas pouco ortodoxas.

(...)

O estilo de Lira Neto é agradável de ler. Objetivo, o jornalista demonstra uma incrível capacidade de condensação e edição, atendo-se aos momentos mais importantes da querela religiosa de Padre Cícero."

(Texto publicado em 1 de dezembro de 2009 no Jornal do Commercio, de Recife. Assinantes do UOL e do JC podem ler o texto na íntegra aqui.)