domingo, 13 de dezembro de 2009

JB: "Texto fluente e bem cuidado"



Leia trecho da matéria publicada no caderno "Idéias e Livros" do Jornal do Brasil:

"A biografia Padre Cícero: poder, fé e guerra no sertão, escrita pelo jornalista Lira Neto – uma estudada narrativa em mais de 500 páginas – só se tornou possível graças a dois anos de pesquisa, incluindo a consulta a mais de 900 cartas e telegramas, arquivos da Cúria do Crato e documentos secretos do Vaticano e do Santo Ofício. Lira Neto – também biógrafo da cantora Maysa, do escritor José de Alencar e do general-presidente Castello Branco – soube utilizar o material inédito para sintetizar, em texto fluente e bem cuidado, as múltiplas dimensões do beato sertanejo: padre rebelde e devoto caboclo, político astuto e líder gentil, persuasivo e influenciável; missionário, romeiro e santo."

"O livro vem a público em meio ao processo de reabilitação do personagem pela Igreja Católica, e não é indiferente a isso. Dividido em duas partes – 'A cruz' e 'A espada' – contextualiza no prólogo e epílogo a história recente do religioso, tido por dom Fernando Panico, atual bispo do Crato, como 'um antivírus contra o avanço das seitas evangélicas'. Para o papa Bento XVI, que ordenou a revisão do processo do Santo Ofício (atual Congregação para a Doutrina da Fé, comandada até 2005 pelo então cardeal Joseph Ratzinger) contra padre Cícero, o estímulo às romarias é parte importante da estratégia da Igreja no Brasil."

"Situado em posição privilegiada para colaborar com a possível canonização de Cícero, Lira Neto preferiu fazer bom jornalismo."

Para acessar a matéria na íntegra, clique aqui.