sábado, 23 de janeiro de 2010

De volta à lista dos mais vendidos



"Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no sertão" retorna à lista estendida dos livros mais vendidos, segundo a Veja. É a quarta semana que o livro aparece na relação.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Daniel Piza: "Os melhores do ano"



"Grandes personagens têm ficado mesmo para as biografias, gênero ainda em alta. Terminei de ler Padre Cícero, de Lira Neto, muito satisfeito: ele nos mostra em detalhes o que se passava no sul do Ceará quando esse misto de clérigo e coronel passou a defender costumes antes proibidos como as romarias em público, atraindo para si fiéis entre os deserdados pela Igreja e pela sociedade. O bom biógrafo mostra defeitos justamente porque faz um esforço de compreensão." (Daniel Piza, no O Estado de S. Paulo)

Para ler o texto completo, clique aqui.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

"Biografia é, sim, voyerismo"



O repórter Fernando Zamith, da Jovem Pan, de São Paulo, conversou comigo sobre o livro "Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão".

Ouça a entrevista clicando aqui.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Entrevista ao Diário do Nordeste




O jornal Diário do Nordeste, de Fortaleza (CE), publica na edição deste domingo, 3 de janeiro, uma longa entrevista sobre Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão.

Confira a íntegra da entrevista clicando nos links abaixo:

Parte 1
Parte 2
Parte 3

"Danado de bom", diz Tribuna do Norte



Padre Cícero: poder, fé e guerra no sertão, do escritor Lira Neto (Companhia de Letras) é o tal do livro que dá gosto o sujeito ler, um prazer danado de bom. Foi o que senti nestes últimos dias do ano que passou. Nem dei conta que são 557 páginas. A profunda e rica biografia do padre é escrita no estilo de uma bem elaborada reportagem. O autor, cearense, atualmente radicado em São Paulo, é jornalista, tem 46 anos de idade e uma obra de peso na literatura brasileira, incluindo aí um Prêmio Jabuti (2007) com o livro O inimigo do Rei: Uma biografia de José Alencar”.

Para ler o texto completo do jornalista Woden Madruga, clique aqui.