terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Carta de Padre Cícero narra "milagre"



Aqui estão as primeiras páginas de uma carta que Padre Cícero escreveu, em janeiro de 1890, ao então bispo do Ceará, dom Joaquim José Vieira. Na carta, Cícero, pela primeira vez, narrava por escrito a dom Joaquim os alegados fenômenos que estariam ocorrendo à época com a beata Maria de Araújo. É a cena do chamado "milagre de Juazeiro", descrita pelo próprio sacerdote.

"Passei toda a noite confessando homens na igreja, onde passaram também orando seis ou oito mulheres que faziam parte da irmandade. Com pena delas, interrompi o trabalho para despachá-las, dando-lhes a comunhão das quatro e meio para cinco horas", diz um trecho da carta, com a pontuação e a ortografia devidamente adaptadas para a linguagem corrente.

Maria de Araújo era a primeira da fila entre as mulheres que iriam comungar. "A sagrada forma, logo que a depositei na boca [da beata], imediatamente transformou-se em porção de sangue, que uma parte ela engoliu servindo-lhe de comunhão e outra correu pela toalha até o chão", descreve Cícero.

"Eu não esperava [por isso] e para continuar as confissões interompidas, que eram ainda muitas, não prestei atenção desta vez e, por isso, não apreendi o fato na ocasião em que se dava. Porém, depois que depositei a âmbula no sacrário, ela [Maria de Araújo] veio entender-se comigo, cheia de aflição e vexame de morte, trazendo a toalha dobrada, para que não vissem, e levantando a mão esquerda, onde nas costas havia caído um pouco do mesmo sangue que corria pelo braço, ela com temor de tocar com a outra mão naquele sangue [...] conservava um certo equilíbrio para não gotejar no chão".

Cícero descartava, na carta ao bispo, a hipótese de embuste e afirmava a crença em um suposto milagre: "Eu, que conheço a sinceridade e simplicidade desta criatura - desde a idade de dez anos que a confesso -, [...] sequer tinha dúvida da verdade que via".

O original da carta encontra-se no arquivo da Diocese do Crato (CE). Na pesquisa para o livro Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão, tive acesso a uma coleção de cerca de 900 cartas do mesmo acervo.