domingo, 18 de fevereiro de 2018

Vacina e esquecimento

A comparação era inevitável. O vulto daquele homem alto, magro e de barbas brancas, empertigado sobre o cavalo, remetia à imagem de Dom Quixote de la Mancha. Não à toa, muitos também o tinham na conta de um lunático, um amalucado por tanta "leitura inútil", a investir contra fantasmagorias e moinhos de vento.
Em vez das paisagens espanholas, contudo, nosso cavaleiro andante e de triste figura percorria as dunas e vielas dos bairros pobres da capital cearense, no início do século 20. No alforje preso à sela, o sanitarista Rodolfo Teófilo levava doses de vacina contra a varíola, a arrepiante epidemia que voltara a atacar Fortaleza, após ter dizimado, em passado então recente, um quinto dos habitantes de toda a cidade.
Hoje, quando outra doença que se julgava extinta, a febre amarela, volta a nos assombrar e a nos indignar diante do descalabro governamental em relação à saúde pública, é quase forçoso evocar a figura heroicizada de Oswaldo Cruz e sua campanha pela vacinação em massa.
Menos óbvio, porém, é recuperar a importância humanitária e o significado político da cruzada do quase desconhecido Teófilo. Contrapondo as trajetórias de um e outro, contemporâneos entre si, podemos refletir sobre uma série de incômodas questões relativas à história, à memória e ao esquecimento.

[...]
Texto publicado na Folha de S. Paulo em 18/02/2018.
Para ler na íntegra, clique aqui.